(Tradução do 4° artigo: “A Dream Comes True” )

Sonho Realizado

www.woodnewsonline.com – No. 52 – December 2009
Por Dilo Márcio Fernandino
Belo Horizonte, MG, Brasil

Durante cinco anos sonhei e trabalhei para a realização de uma obra em madeira de alta complexidade. Foi um período de intensa concentração e inspiração durante o qual confiei no meu coração para guiar meu cérebro e minhas mãos.
Finalmente o “armário duplo rococó” tornou-se uma realidade quando eu coloquei o “armário rococó” (acabado em 12 de outubro de 2008) em cima da recém-terminada “cômoda rococó” (acabada em 6 de novembro de 2009).

Construção

Na ocasião em que meu último artigo foi publicado, o armário rococó superior estava pronto e já estava em construção a cômoda rococó que se destinava a servir-lhe de base. Eu já havia construído sua face frontal, que fora firmemente juntada ao seu tampo.
Em seguida, desenhei o perfil da perna traseira que correspondeu aproximadamente à projeção em 45° da perna frontal, resultando numa curva mais suave. A perna traseira também receberia uma decoração mais simplificada, com volutas entalhadas apenas no pé e no topo.
Depois que serrei as duas pernas traseiras, escavei em ambas uma estreita canaleta no sentido longitudinal para a futura inserção do painel traseiro, assim como as afixei ao tampo utilizando meu sistema de “meio-parafuso” com cola epóxi (veja foto acima à esquerda). Devo dizer que, anteriormente, eu tinha criado uma ferramenta baseada na “serra de escada”, que possui dispositivo para regular manualmente a profundidade do seu corte. Eu incrementei tal idéia acrescentando uma guia lateral ajustável para manter sua lâmina paralela à borda de cada perna, enquanto eu fazia dois cortes paralelos longitudinais (veja a foto à direita). A partir disso pude escavar as canaletas necessárias usando um formão para remover a madeira entre os dois cortes paralelos.
Em seguida preparei duas grossas peças de madeira destinadas a cumprirem duas diferentes funções cada uma, quais sejam, atuar como tirante entre as pernas frontal e traseira, bem como atuar como avental lateral. Então, sua superfície foi entalhada segundo um perfil côncavo-convexo cuidadosamente determinado e sua borda foi entalhada no formato de uma intrincada voluta vazada. Também entalhei um degrau ao longo de sua extremidade superior destinado a funcionar como parte de uma junta de dilatação, para receber uma talisca que se sobressai do volumoso painel lateral. A junta pronta fica parecendo uma canaleta decorativa.
Considerando que a união entre cada tirante e sua respectiva perna frontal seria curva, surgiu um difícil problema de concordância entre superfícies. Para lidar com isso, nesta união desisti do método de encaixe de macho e fêmea, substituindo-o por um método de “ancoragem”, pelo qual aparafusei até a metade um grosso parafuso de aço na perna e escavei uma fenda correspondente nas costas do tirante, a qual foi preenchida com cola epóxi para se encaixar no parafuso (veja foto acima à esquerda).
A construção dos painéis laterais de superfície torcida foi feita mediante a colagem de três grossas tábuas lado a lado, que haviam sido individualmente esculpidas em conformidade com curvas côncavo-convexas específicas para cada tábua. Durante tal processo essas tábuas foram temporariamente afixadas entre as pernas a fim de obter-se a melhor concordância entre o painel e as superfícies vizinhas. Depois o painel inteiro foi retirado da sua posição e terminado fora. Seu assentamento definitivo foi feito mediante a colagem apenas da sua seção central às pernas, a fim de permitir a expansão/contração da suas extremidades superior e inferior. Além disso, sua seção inferior foi ligada internamente ao tirante usando-se parafusos com arruelas que passaram através de fendas das taliscas de união (veja seqüência de fotos).
Completei as gavetas fazendo bandejas coladas de jacarandá maciço que foram então encaixadas, coladas e aparafusadas às suas respectivas tábuas frontais. Eu havia decido não entalhar encaixes em rabo de andorinha nas tábuas frontais devido à sua forma torcida, o que desafiaria muito a precisão dos entalhes. Depois construí a estrutura interna para os trilhos de deslizamento e encaixei o painel traseiro nas canaletas preexistentes. O trabalho estava finalmente pronto!
Eu escolhi tais métodos específicos de encaixe com o objetivo de respeitar inteiramente as reações naturais da madeira maciça às mudanças atmosféricas (temperatura e umidade). Um móvel que seja feito inteiramente de madeira maciça não expande (ou contrai) em todas as direções igualmente. As mudanças dimensionais provocadas pelo tempo afetam somente a largura da madeira e não o seu comprimento. Por isso o móvel não pode ser construído completamente rígido, mas, pelo contrário, deve possuir internamente algumas juntas de dilatação, o que é um procedimento muito recomendado desde os velhos tempos, com o objetivo de evitar indesejáveis rachaduras nas superfícies.
Em conclusão, neste projeto ousei quebrar muitas das convenções de marcenaria que eu aceitava pacificamente, especialmente a seqüência lógica de construção (na qual os elementos estruturais devem ser construídos em primeiro lugar) e a necessidade básica por ângulos retos e superfícies planas. Eu desejei construir um móvel similar a um projeto arquitetônico, onde a ação da força gravitacional sobre os pesados materiais de construção resulta num perfil inclinado, como se estivesse descarregando forças para o solo. Por isso, atuei mais como um escultor de pedra do que de madeira.
A presente realização me faz recordar minha infância quando eu gostava de construir meus próprios brinquedos. Meu irmão mais velho tinha sabiamente me desafiado com as seguintes palavras: “É fácil começar a fazer um novo brinquedo. O difícil é terminá-lo”. Outra sábia sugestão que me deu foi tentar esculpir em jacarandá – uma prática perdida através dos séculos.
Esta obra também reflete minha obsessão pela materialização de idéias abstratas. Para mim não é suficiente ser proficiente no campo das idéias. É necessário ser proficiente no campo material também.
Asseguro a todos os leitores do Wood News que o presente ano (2009) foi o mais produtivo, agradável e gratificante para mim, em grande parte devido à cálida e estimulante recepção que vocês me proporcionaram por ocasião da publicação do meu primeiro artigo em janeiro. Como resultado, fui apresentado a muitos fantásticos Web bloggers em torno do mundo que se tornaram meus estimados “companheiros de caminhada” e aos quais eu não tenho palavras suficientes para expressar minha eterna gratidão.